6ºDia – Bariloche – Abril 2018

6º Dia / 06 Abril 2018 / Sexta-feira
( Buenos Aires-ARG / Macachín-ARG)

Estamos saindo de Buenos Aires e continuamos subindo em direção a Bariloche, nosso destino final.
Hoje amanheceu chovendo e não é uma chuvinha, esta chovendo forte mesmo e esfriou bastante.
Isso vai atrapalhar bastante nosso objetivo que seria chegarmos até General Acha na Província de La Pampa que esta a mais ou menos 720Km de Buenos Aires pela RN.205. O tempo não vai ajudar, mas vamos tentar.
Nosso primeiro obstaculo é sair de Região Metropolitana de Buenos Aires no horário de pico.
Mesmo usando o GPS é complicado demais e como não gostamos de dirigir dentro de grandes centros como Buenos Aires, fica pior ainda. E claro para complicar mais um pouco, chuva forte.
Levamos quase duas horas para acessarmos a RN 205. LOUCURA.

Finalmente estamos na estrada.
PEDÁGIO – Dellepiane – AR$ 63,00.
PEDÁGIO – Ricchieri – AR$ 20,00.
Em Cañuelas paramos em um Posto Shell para relaxar um pouco e tomar nosso café da manhã e comprar água, pois saímos do hotel sem tomar café.

POSTO SHELL
Auto Pista Ezeiza Cañuelas Km. 38 – Cañuellas

Gastamos AR$  240,00.
Seguimos viagem, e a chuva continua a castigar.
PEDÁGIO – RN.205 – Km.83 – Uribelarrea – AR$ 45,00.
PEDÁGIO – RN.205 – Saladillo – AR$ 20,00.
A chuva deu uma trégua.
Já era tarde e resolvemos parar para abastecer, descansar e comer alguma coisa.
ESTACION SHELL SOLER
RP.65 Km.86,7 – Daireaux

Abastecemos…………..43,44 L
Preço da gasolina……AR$ 29,24
Gastamos………………AR$ 1270,30
Lanche, gastamos AR$ 275,00.
Continuamos viagem.
Rodamos mais uns 100 Km, já é tarde e estamos um pouco cansados, achamos que não vamos conseguir chegar até General Acha.
No trevo da RP.65 com a RP.1 paramos em um Posto YPF para pedir informação sobre onde poderíamos pernoitar.
A funcionária da loja de conveniência falou que atrás do posto tinha um hotel, mas não sabia se estava funcionando, e que a uns dois minutos do posto pela RP.1 tinha a cidadezinha de Macachin onde tinham dois hotéis. Agradecemos e fomos tentar o hotel atrás do posto, seria a melhor opção por estar a beira da estrada. Infelizmente estava fechado.
Fomos para Macachim.
Na pracinha principal encontramos um hotel, e umas duas quadra a frente, o outro. Este segundo pelo que vimos não seria uma boa opção. Voltamos a pracinha.
Fui verificar. Os quartos são confortáveis, tem internet, restaurante e estacionamento fechado. Mas o preço estava um pouco salgado para um hotel de cidadezinha pequena, quase uma vila. Como não tínhamos outra opção e estávamos cansados. Vamos ficar por aqui mesmo.

HOTEL EUZKO ALKARTASUNA
Rua Parodi 340 – Macachín, Argentina

Diária AR$ 1500,00 com café da manhã.
Nos acomodamos, tomamos um bom banho e descansamos um pouco.
A noite descemos para jantar no restaurante do hotel.
Gastamos AR$ 390,00.
MACACHIN foi fundada em 20 de novembro de 1902 por Jorge Moore, Luis Brunel e José Fratini.
A cidade se destaca por ter recebido uma grande imigração de bascos, que chegaram no final do século XIX e início do século XX. Atualmente essa imigração se reflete na comunidade local, que mantém os costumes e tradições desses imigrantes. Uma curiosidade,  o hotel EUZKO ALKARTASUNA pertence a Associação Basca e fica no mesmo prédio da propria Associação.

RESUMO DO DIA

COMBUSTÍVEL
AR$  1270,30

PEDÁGIO
AR$ 148,00

ALIMENTAÇÃO
AR$ 905,00

HOSPEDAGEM
AR$ 1500,00

RECOMENDAMOS
HOTEL EUZKO ALKARTASUNA – Macachin 

ROTA
RN.205 / RP.65 / RN.33 / RP.60 / RP.18 / RP.1

615 Km Rodados – 10:30h

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*