12ºDia – Santos / Salta – Abril 2017

12º Dia / 09 Maio 2017 / Terça-feira
( Salta / Cafayate / Salta-ARG )

Hoje vamos até Cafayate.
Cafayate esta a 197Km de Salta pela RN.68.
Cafayate esta a 1.700 metros a cima do nível do mar.
Hoje o dia amanheceu nublado, chuva e frio, 13ºC.
Antes de pegar a estrada uma paradinha para bastecer.

ESTACION DE SERVICIO YPF-EL CHANGO
Av. Paraguay, 1198 – Salta

Abastecemos………….17,13 l
Preço da Gasolina……AR$ 20,44
Gastamos……………..AR$ 350,14
Tomei um café(AR$ 30,00).

A chuva vai atrapalhar um pouco, mas, não tem jeito, é isso ou ficar no hotel, o que não é uma boa.

A RN.68 é pista simples, mas esta em boas condições de trafego.
Durante o trajeto vemos  formações rochosas vermelhas que seguem o leito do rio formando vales e desfiladeiros, e, ainda por cima, a Cordilheira dos Andes como pano de fundo.

Temos que dirigir devagar, pois no caminho existem algumas coisas para se ver, mas a sinalização é precária, então temos que ficar atentos ou perdemos.
O primeiro ponto que encontramos foi a Garganta do Diabo.

Na foto acima vocês veem que estamos colocando uma pedra sobre uma pilha de pedras. Vamos explicar por que.
Quando vimos esses montes e algumas pessoas depositando pedras sobre eles ficamos curioso e perguntamos a um local do que se tratava, e ele nos explicou que o monte de pedras eram “Apachetas”.

APACHETAS
Eram montes de pedras que os povos indígenas dos Andes construíam por dois motivos:
1º para marcar e sinalizar o caminho no deserto.
2º eram altares sagrados construídos para os deuses incas.
Além de marcar geograficamente o caminho, a Apacheta possuía um significado simbólico, uma orientação espiritual, um local sagrado de descanso para outros viajantes do deserto, onde eram deixadas oferendas para seus ancestrais pedindo boa sorte no caminho, proteção e uma boa colheita e agradecendo à Pachamama (mãe terra) por cuidar tão bem deles.

Não conseguimos descobrir a localização exata.
Esse é outro ponto, falta de marcação da kilometragem por toda a rota.

A Garganta do Diabo é formada por rochas sedimentarias vermelhas que sofreram erosão pelo fluxo de água em um passado geológico distante.
Andamos mais um quilometro e encontamos El Anfiteatro (O Anfiteatro).
O Anfiteatro é uma enorme fenda esculpida pelo vento e moldada pelo tempo entre as rochas vermelhas, com o interior formando um grande anfiteatro natural com uma acústica espetacular.


É comum encontrar pessoas ou artistas cantando ou tocando alguns instrumentos, também há alguns locais vendendo artesanato.

Nesse dia havia um artista cantando ao som de sua guitarra. O som da voz e os acordes da guitarra repercutiam  pelo ambiente produzindo uma incrível vibração.
Envolvidos pelo ambiente acabamos comprando um de seus CD”s(AR$ 80,00). Valeu.
Continuamos e logo a frente encontramos  o Mirador Tres Cruces.
É um mirador que faz parte da Quebrada de Cafayate. Possui uma bonita vista dos morros ao redor da Quebrada.

Aparentemente, as 3 cruzes são um memorial para alguns que morreram em um acidente por aqui, ou também como dizem que o nome do local foi dado pela  a quantidade de restos marinhos que foram encontrados. Enfim fica a duvida.

Vale a pena dar uma paradinha para apreciar a vista.
Mais um pouco a frente a beira da RN.68 encontramos O Sapo.

Paramos para ver.  É uma rocha avermelhada que durante seculos foi esculpida pelo vento ou pelas águas das chuvas formando uma imagem semelhante a um grande sapo.

O Sapo

Como somos viajante e turistas vale a pena perder um tempinho para registrar umas fotos.
Continuamos viagem e mais a frente encontramos um lugar que parecia ser uma cabana de artesanato.
Resolvemos parar para ver e tentar comprar água.
Descobrimos que na verdade é uma cabana de artesanatos que também tem comidas e bebidas típicas da região, empanadas, pães caseiros, queijo de cabra e vinhos.

Estamos com sorte, pois já estávamos ficando com fome.
Resolvemos aproveitar e fazer um lanche, claro empanadas que na verdades estevam deliciosas.
Gastamos AR$ 80,00.
Proprietários muito simpáticos. Se estiverem por essa região recomendamos parar e apreciar as deliciosas empanadas. No local existem algumas Lhamas é sensacional, você pode alimentá-la e tirar fotos.

Descobrimos também que a uns 300 metros da cabana existe uma trilha que leva até uma formação rochosa chamada de Las Yesera. Não fomos ver. Depois descobrimos que era um lugar muito bonito. Perdemos mais uma..
Descansamos um pouco apreciando a paisagem e depois continuamos viagem.
Mais a frente uma paradinha para fotos na formação rochosa El Obelisco.

El Obelisco

Mais uma parada para fotos, afinal somos aventureiros viajantes.
Formação rochosa Las Ventanas.

Paramos novamente em Quebrada de Las Conchas, claro para mais fotos.

Quebrada de Las Conchas

Dai pra frente só paramos no centrinho de Cafayate.

A rota de Salta até Cafayate pela RN.68, conhecida também como “Ruta del Vino” é uma região muito bonita! Viajar pela Ruta 68 é uma experiência única, impossível descrever em palavras, tentamos registrar em algumas fotos e videos as paisagens e a beleza que se vê no caminho, se puder faça o percurso de carro, como nós, ou de moto, e sem presa, pois há muitos pontos interessantes nesse trajeto.
Paramos na Plaza 20 de Febrero e fomos caminhar um pouco.

Igreja do Rosário

Cafayate está a 1.700 metros acima do nível do mar e é conhecida pelos excelentes vinhos produzidos em altitudes elevadas. Esta região produz vinhos desde o início do século XIX, e possui vinícolas de destaque, tanto na Argentina como em plano mundial.
Pelos arredores da praça existem muitos restaurantes, posadas e lojinhas de artesanato.
Como demoramos muito no percurso de Salta até aqui devido as diversas paradas pelo caminho, não dispúnhamos de muito tempo para explorar a cidade com mais detalhes. Então demos um giro só pelo centrinho.
Hora de voltar. Na saída da cidade paramos para abastecer.

POSTO YPF – ACA
RN.40 c/ Rua Brachieri – Cafayate

Abastecemos…………..20,06 l
Preço da Gasolina……AR$ 30,65
Gastamos……………..AR$ 635,00
Aproveitei tomei um café e comprei água (AR$85,00).
Agora é pegar a estrada de volta para Salta.

Tínhamos a opção de voltar pela  RN.40 mas seriam mais ou menos uns 150 Km de ripio e não estávamos a fim.
Por isso optamos em voltar pela RN.68 mesmo.
Vamos deixar vocês com algumas imagens pela RN.68…..


RN.68

Chegamos no hotel e fomos ver na recepção se tinha alguma lavanderia por perto pois tínhamos que mandar lavar duas calças jeans, e para nossa sorte tinha uma na mesma quadra do hotel e eles ainda entregavam a roupa no hotel quando pronta.
Tomei um café no hotel(AR$ 30,00.

TINTORERIA Y LAVANDERIA “LA SATUMA”
Rua Alvaredo nº 956 – Salta

Deixamos a roupa para lavar e eles entregariam amanhã pela manhã na recepção do hotel.
Gastamos AR$ 70,00.
A noite resolvemos ir novamente ao New Time, não para comer pizza e sim para jantar, pois estávamos com fome.
NEW TIME RESTOBAR
Rua Caseros nº 602 c/Praça 9 de Julio – Salta

Jantamos dois Ravioles Rellenos a Fiorentina, duas Coca-Cola e um café.

O Raviole estava ótimo e muito bem servido.
Gastamos AR$352,00.
Hora de voltar para o hote e descansar que amanhã tem mais.

RESUMO DO DIA

ALIMENTAÇÃO
AR$  577,00

HOSPEDAGEM
AR$ 1251,28/U$ 66,12

OUTROS
AR$ 25,00

COMBUSTÍVEL
AR$  985,14………..37,19 litros

RECOMENDAMOS
WILSON HOTEL – Salta/Argentina
RESTAURANTE BAR DON FRANCESCO – Cafayate/Salta/Argentina
NEW TIME RESTOBAR(pela pizza) – Salta/Argentina

ROTA
RN.68 / RN.40 / RN.68

379 Km Rodados – 09:45h

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*